Temporada 1 Ep. 5 - Entre altos e baixos: a altura do som


Estamos de volta com o PianoBlog! Até aqui vemos que a música pode ser entendida como um discurso, com um sentido, repleto de elementos que dão significado melodia, ritmos, timbres que colorem e diversificam a mensagem musical.

Mas não podemos deixar de perceber as características não só da música mas do som.

Alguém já pediu para você abaixar o som da TV, do celular porque estava muito alto? Ou você mesmo pediu para alguém? Pois é, mas som alto e som baixo tem um outro significado para as propriedades do som em física.

A altura nos permite escutar principalmente a melodia. Há sons que vibram mais rápido vibram outros que vibram mais lentamente. Ou melhor, sons de freqüência mais alta ou frequência mais baixa.

Sons que consideramos mais agudos ou mais finos são sons de freqüência mais elevada. O som do violino geralmente é utilizado para produzir sons mais agudos. O som do canto dos passarinhos, da flauta doce também são exemplos de sons predominantemente agudos.

O contrabaixo, os tímpanos, que são tambores grandões que podem ser afinados também são exemplos. Os trovões são um exemplo na natureza de sons graves.

Por falar em afinação, segundo o dicionário de termos e expressões da música, diz que “altura do som relativamente a outro som ou a um parâmetro convencionado” em outras palavras, precisamos de um som como referência para determinar os demais. Todos os músicos da orquestra afinam a partir da nota “lá”, na frequência de “440hz”. Vamos ouvir o diapasão, um instrumento de metal que parece um garfo, muito utilizado por regentes de canto coral.

Este é um som médio, nem grave nem agudo. No Piano, podemos encontrar o som do diapasão nas teclas do meio, as notas graves no lado esquerdo e as agudas do lado direito. Escute a nota mais aguda e em seguida mais grave.

Pensando no diapasão como referência o som agudo terá uma freqüência de valor mais alta que é “440hz” e o som grave terá um valor menor ou “mais baixo”. Não é a toa que contrabaixo, baixo elétrico tem uma extensão de sons predominantemente na região grave

Ufa! Tudo para falar que se alguém pedir para você abaixar o som da TV avisa para essa pessoa que não é possível deixar o som mais grave. Na verdade, ela deveria pedir “abaixa o volume da TV” ou então diminuir o som. Assunto para o próximo episódio. Até lá!


Escute o Podcast! Spotify:

https://open.spotify.com/show/64xV1sBmuNRVsC54UZDH5l


iTunes - Apple Podcasts:

https://podcasts.apple.com/us/podcast/pianoblog-carla-gullo/id1522223679


Google Podcasts:

https://podcasts.google.com/feed/aHR0cHM6Ly9hbmNob3IuZm0vcy8yOGQ1MzI1Yy9wb2RjYXN0L3Jzcw==


Breaker:

https://www.breaker.audio/pianoblog-carla-gullo


Pocket Casts:

https://pca.st/si7pfj6v


RadioPublic:

https://radiopublic.com/pianoblog-carla-gullo-60VnYL

0 visualização

Entre em contato! 

Endereço: Avenida T-2, Edifício Focus, sala 601. Setor Bueno. Goiânia - GO

carla.gullo@gmail.com

Tel: 062 996377241 (Whatspp)

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black

© 2020 por Carla Gullo